Consciência Negra na literatura com o acervo IBS

Outras notícias

NotíciasReleasesConsciência Negra na literatura com o acervo IBS

O Dia da Consciência Negra é celebrado no dia 20 de novembro, data que marca a morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, célula de resistência entre os estados de Alagoas e Pernambuco, local de acolhimento e existência para negros que não aceitaram a escravidão. 

Muitos questionam a necessidade de um dia voltado à conscientização em relação à situação dos negros no Brasil, mas nossa História não nega, com três séculos de escravidão, o quanto a data é importante num país onde o racismo ainda é muito contundente e provoca enormes desigualdades sociais. Salários mais baixos, intolerância religiosa, racismo estrutural, baixa representatividade política, menos acesso a oportunidades, mais exposição às calamidades: razões suficientes para que a data seja lembrada de forma reflexiva e questionadora. 

Na escola, o Dia da Consciência Negra – muitas escolas adotam a Semana da Consciência Negra – é uma grande oportunidade para estimular o debate sobre essas questões e, mais que isso, promover um ambiente de valorização e respeito desse componente importantíssimo da cultura brasileira, apresentando seus ricos legados em todas as áreas do conhecimento e mostrando como toda essa riqueza resistiu, passando de geração para geração. 

Para tanto, o acervo IBS pode contribuir com títulos literários especialmente voltados à valorização da cultura, da história e da estética da população negra brasileira 

A aplicação da Lei 11.645/08, que torna obrigatória a abordagem da história e cultura dos povos africanos, afro-brasileiros e indígenas no currículo escolar, é sempre uma oportunidade de trabalhar temáticas de valorização e respeito. Com literatura, esses temas são introduzidos de forma poética e sensibilizam pelo viés da emoção. Seguem, abaixo, alguns títulos do acervo IBS voltados à valorização e empoderamento da população negra!.  

DICA LITERÁRIA

  1. A SEMENTE QUE VEIO DA ÁFRICA

A semente que veio da África, de Heloisa Pires Lima e mais dois convidados africanos, foca no baobá, árvore que por viver até seis mil anos e ficar gigantesca, inspira muitas histórias para quem vive em torno dela. O livro também traz um jogo originário do norte do Golfo de Guiné. 

2. AMORAS

Em seu primeiro livro infantil, Emicida conta uma história cheia de simplicidade e poesia que mostra a importância de nos reconhecermos no mundo e nos orgulharmos de quem somos – desde criança e para sempre. 

3. HISTÓRIAS DA PRETA

Em Histórias da Preta, Heloisa Pires Lima reúne informação histórica, reflexão intelectual, estímulos ao exercício da cidadania e histórias mitológicas da África. Com conhecimento de causa, a autora fala sobre a população negra no Brasil, com a experiência de quem já foi alvo de racismo.  

4. O AVESSO DA PELE

Com habilidade incomum para conceber e estruturar personagens e de lidar com as complexidades e pequenas tragédias das relações familiares, Jeferson Tenório se consolida como uma das vozes mais potentes e estilisticamente corajosas da literatura brasileira contemporânea. 

5. AMOR DE CABELO

Zuri tem um cabelo mágico e um pai empenhado em encontrar o penteado perfeito para recepcionar a mãe da menina. O livro foi inspirado no filme de Matthew A. Cherry, vencedor do Oscar de melhor curta metragem de animação. 

6. MEU AVÔ AFRICANO

Em Meu avô africano, de Carmen Lúcia Campos, Vítor Iori descobre que a vinda dos africanos para o Brasil foi bem diferente da dos imigrantes europeus. Com seu avô Zinho, aprende a história de seus antepassados e descobre a importância de preservar suas raízes. 

OUTRAS NOTÍCIAS

Gabriela Martins
Gabriela Martins
Assessora de Comunicação | @brasilsolidario

Populares