«

»

Nelson Mandela: uma história para conhecer e admirar

mandela

Hoje morreu Nelson Mandela, um dos estadistas mais importantes do século XX. Principal responsável pela derrubada do apartheid (um dos regimes mais cruéis e desumanos conhecidos pelo homem), refundou a África do Sul e fez o mundo olhar para a questão racial de outra forma. Na história mundial, muitos líderes derrubaram regimes através de guerras e golpes. Mandela fez o contrário: derrubou um regime evitando a guerra civil em seu país.

Na época da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul achei que era o momento ideal para recomendar livros e filmes sobre o país sede da copa aos leitores do blog que eu mantinha na época. Com a morte de Mandela, reitero essas recomendações aqui.

Minha sugestão de filme é Invictus, dirigido por Clint Eastwood, com Morgan Freeman no papel de Mandela (o nome Invictus foi tirado deste poema de William Ernest Henley, que inspirou o líder durante os 27 anos em que esteve preso).

Dentre os livros, minha recomendação é Caminhos de Mandela, um retrato bastante informativo sobre o período da transição política na África do Sul. A leitura mostra como foram duras as suas negociações com o governo e com o próprio partido, que estava dividido entre apoiar as eleições ou partir para a luta armada. No fim, Mandela triunfou. Não só nas urnas, mas nos ideais.

A luta de Mandela tornou a história da África do Sul vital para que o mundo todo visse todas as marcas que a segregação e o preconceito racial deixam numa sociedade – e deixou um alerta para que isso não se repita nunca mais.

Por isso, fica aqui a minha dica a todos os professores e alunos que me leem nesse momento: vale a pena conhecer a história de Nelson Mandela. Um dos poucos políticos no mundo que merece todo a nossa reverência e respeito. Um exemplo de grandeza humana, uma lição de perspicácia política e um modelo de liderança – conceitos completamente estranhos à política ocidental, que o próprio Mandela definia como “bastião da ambição pessoal”.

FRASES DE MANDELA

Quando eu saí em direção ao portão que me levaria à liberdade, sabia que se eu não deixasse minha amargura e ódio para trás, eu ainda estaria na prisão.

A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo.

Ser livre não é apenas arrebentar as próprias algemas, mas viver de uma forma que respeite e valorize a liberdade dos outros.

Eu aprendi que a coragem não é a ausência de medo, mas o triunfo sobre ele. O homem corajoso não é aquele que não sente medo, mas quem vence esse medo.

1 comentário

  1. Rosilene

    Realmente, perdemos um grande homem e político e rogo a Deus para que sigamos seus bons exemplos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


2 × um =